Crianças que têm atraso de fala tem mais chances de ter problemas na escola?

Como fala e escrita têm grande relação entre si, se a criança iniciar a alfabetização apresentando trocas na fala, ela irpa transpor para escrita.

O domínio da escrita ocorre de forma semelhante e dependente da linguagem oral. Neste processo, a criança conhece a relação dos sons da fala com seus símbolos gráficos e passa a reconhecê-los, por exemplo, em seu próprio nome.

Erros na escrita são esperados nos primeiros anos da alfabetização, porém, a partir dos 9 anos de idade a criança deve apresentar um processo de escrita mais organizado e com pouquíssimas trocas.

Casos em que estes erros persistem ao longo dos anos e de forma intensa devem ser investigados por fonoaudiólogo. A avaliação fonoaudiológica terá como objetivo:

  • Diagnosticar o problema: dificuldades persistentes na escrita e no aprendizado podem ser sinal dislexia ou distúrbio de aprendizagem, por exemplo.
  • Identificar as possíveis causas: problemas auditivos ou visuais também podem prejudicar a alfabetização da criança. Trocas na escrita relacionadas ao som das letras (f/v, p/b) podem ser decorrentes de problemas auditivos. Já as trocas de letras como m/n, p/q, b/d indicam a necessidade de investigar possíveis problemas visuais.
  • Tratar: fonoaudiólogos e psicopedagogos são alguns dos profissionais que podem auxiliar na superação das dificuldades na escrita.

Deixe uma resposta